Month: October 2014

Introducing five under-the-radar NHL defenseman

Last week, the Calgary Flames made waves with the signing of T.J Brodie to a 5 year, 23.25M contract, in a move widely praised by the Canadian media, well aware of the offensive upside and all-around qualities of the 24-year old defenseman. However, for the casual NHL fans, Brodie is still a relatively unknown player, mostly because he plays for the Flames, a franchise in rebuild, on a loaded Western Conference. Despite the responsibilities Brodie and teammate Mark Giordano take on, and excel at, in every game, their performances frequently fail to be noticed and they’re far from household names in the NHL.

T.J. Brodie (7) and Mark Giordano (C)

With this in mind, I decided to dig into the NHL rosters and pick a group of five defenseman who deserve more respect than they get. In this list you won’t find players from the premier teams in the league, which, for better or worse, make regular appearances on televisions and/or news outlets, not only during the regular season but also due to recent successful playoff runs. Thus, I tried to avoid picking Blackhawks, Kings, Rangers, Bruins (the last four SC finalists), and also Penguins, Capitals and Flyers (ok, no real candidates here). I also decided to further narrow my player’s poll by establishing a series of screening parameters that I listed below:

  • Selected players must be in the 20-30 years range

Younger players are usually talked about high draft picks, and older players benefit from a capital of experience and recognition based on several years in the league. This stipulation rules out names like Aaron Ekblad, Seth Jones, Olli Maatta, Morgan Reilly, Andy Greene, Tom Gilbert, Trevor Daley, Christian Ehrhoff or Johnny Boychuk

  • No 1st round picks

Names like Dougie Hamilton, Victor Hedman, Ryan Murray, Erik Johnson, Dmitry Kulikov, Jonas Brodin, Nick Leddy, Oliver Ekman-Larsson…

  • No former All-Stars

The Karlssons, Webers, Suters, and Subbans of the NHL.

  • No former Canadian or American Olympians

On a North American league, European Olympians can fly under-the-radar, but Canadians and Americans shouldn’t. So, no Dan Hamhuis, Marc-Edouard Vlasic, Brent Seabrook, Kevin Shattenkirk, Ryan McDonagh, John Carlson…

After all this, for relevancy purposes, I only selected players who are undoubtedly used as Top 4 defenseman on their teams, therefore playing an average of, at least, 18 minutes per game. Ok, introduction is over, let’s get down to business.

Justin Braun (San Jose Sharks)

Justin Braun

The Sharks have been able to successively present good teams over the last fifteen years and their ability to find unheralded players like this 27-year old is one of the reasons. Braun usually plays alongside the excellent Marc-Edouard Vlasic, who until last year would have a perfect candidate for this list, and the par excels as the team shutdown defensive unit. Not overly physical despite standing at 6’2’’ and 205 pounds, the Minnesota native is, in the current season, the third defenseman of the team in ice time, playing around 21 min/per game (behind Vlasic and Brent Burns), and the second one on shorthanded time per game, with almost 2:30 min of use. Last season, on a great possession team, Braun was the third best defenseman in 5on5FenwickRel% (a measure of puck possession that compares the team performance when the player is on the ice and off the ice), after Vlasic and the sheltered Jason Demers, and this year he’s performing even better, trailing only Logan Couture on the whole team. Not bad for a former 7th round pick who is on his fourth NHL season and has seen his ice time and responsibilities grow steadily every year. Braun signed a five-year extension with the team in September, agreeing on a deal that carries a cap hit a 3.8 M until 2020 and is certainly a bargain for a quality shutdown defenseman on his prime years.

Roman Josi (Nashville Predators)

Roman Josi

After the departure of Ryan Suter in 2012, the Predators were left with a big hole on their defence, not only because Suter is an all-star quality player, but also because he was a perfect complement to Shea Weber. However, the Preds solved the problem with aplomb when they decided to hand the task to a young swiss defender who had just completed his first NHL season. Roman Josi was a 2nd round pick by the team in the 2008 draft and in many characteristics resembles Suter: he is a left shooter, a complete defender with decent size, has good puck moving abilities and a lack of a physical edge. Plus, the Bern native can shoot, reaching the 10-goal plateau last season, something the American has never done. On a team with a young defence, Josi and Weber form the top pair, take on all the difficult minutes and are also asked to provide offense, with the duo raking up more than 28 minutes per game, a number that includes more than 3 min in both power play and penalty kill situations. With all this responsibility, their possession numbers have suffered this season, despite the team’s good start, but both should rebound quickly, since Josi (and Weber) finished last season above water. After the expiration of his entry-level deal in 2013, Josi signed a seven-year extension with the Predators for an average of 4M per year, a number below average for a player who looks to be a good third defenseman when Seth Jones develops to his full potential.

Chris Tanev (Vancouver Canucks)

Christopher Tanev is a 24-year-old defenseman that excelled last year on a deep Vancouver Canucks defence. The Toronto native started his fourth NHL season as the fifth defenseman on the depth chart but ended up playing the toughest minutes on the team, alongside Canadian Olympian Dan Hamhuis, and finished above water (positive FenwickRel%), something more heralded colleagues, like Alexander Edler and Kevin Bieksa, couldn’t do. On a total of roughly 20 minutes of ice time per game, Tanev only trailed Hamhuis in shorthanded assignments and practically never saw the ice on the power play, finishing with 6 goals and 17 points on 64 games. Entering 2014-15, the departure of Jason Garrison meant the opening of a top 4 spot for the mobile defenseman, and his usage moved a bit under the new coach, with Tanev partnering with Alexander Edler, starting more shifts in the offensive zone and having a chance on the power play. The result is an even better shot differential (at even strength) and the opportunity to pile up the points using his good puck moving skills. Tanev, who was never drafted and signed with the Canucks in 2010 out of college, is on a one year deal that pays him 2M, with a raise expected for next July.

Jared Spurgeon (Minnesota Wild)

The number 46 of the Minnesota Wild is worn by a small (5’9’’) defenseman that was drafted on the sixth round of the 2008 NHL draft by the New York Islanders. Spurgeon signed with the Wild organization in 2010 and only needed a year to gain a permanent place on the NHL team, impressing with is two-way qualities, agility and skating prowess. About to turn 25, the Edmonton native usually plays on the team’s second pair, alongside Marco Scandella, and logs over 22 minutes per game, more than three of them on the power play. On a team that spreads the shorthanded responsibilities by the top two defensive lines, in order to keep Ryan Suter fresh for 5on5 play and power play duties, Spurgeon is right behind Jonas Brodin and Suter on quality of competition, having posted the best FenwickRel% of the regular defensive group in 2013-14. After the 5 goals and 26 points obtained last season, the defenseman is off to a nice scoring start this year and should surpass his maximum offensive totals, increasing his chances of getting a nice raise in 2016, when his current 3 year, 8M contract expires.

Jared Spurgeon

Travis Hamonic (New York Islanders)

For over three years, Andrew MacDonald and Travis Hamonic formed the designated shutdown unit of the New York Islanders. But, even if MacDonald signed this summer a big deal with the Philadelphia Flyers, only one member of the par did a good job solving the task handed to them, and it wasn’t him. In fact, while MacDonald was repeatedly a possession black hole, posting worse shot differentials than the rest of his teammates, Hamonic managed to stay on the positive side in every season, except for 2012-13.

Travis Hamonic

Last season, the Manitoba native averaged 25 minutes per game, by far tops on the team after his partner was traded, and handled the biggest responsibilities on the penalty kill too, with over 3 minutes of daily work. At the age of 24, Hamonic is a physical defenseman with a good frame (6’2’’, 217 pounds) and some offensive upside, mainly due to a powerful shot, that is considered one of the building blocks of the rejuvenated Islanders. The former 2nd round pick is on a seven-year deal that runs until 2020 and pays an average of 3.8 M per year, definitely excellent value for a top paring defenseman signed through his prime years.


Alpine Skiing World Cup Preview

The 2014-2015 season of the FIS Alpine Ski World Cup starts this week in Soelden, Austria, with the giant slalom races at the slopes of the Rettenbach Glacier. For almost five months, the best alpine skiers in the world will compete for the right to lift the crystal globes, awarded to the winners of the overall classification and to the best in each of the five disciplines. The World Cup finals are scheduled for the weekend of March 22nd, in the French resort of Méribel, but before that the world’s best will compete on the World Championships, held in Vail/Beaver Creek, USA, from the 2nd to the 15th of February.

In downhill events, skiers can even “fly”

As an introduction, it is important to explain that the four basic alpine skiing disciplines are the downhill, super-G, giant slalom and slalom. The downhill is the fastest one, with the competitors sometimes achieving speeds of over 150 km/h, and, thus, it is also the riskier. The super-G is also a speed race, but the velocity is not as high as in the downhill, as the racers have to make more turns, and start their runs from a lower altitude. The giant slalom and the slalom are considered technical disciplines, with the skiers having to pass between a set of poles, called a gate, using quick and short turns. The speed on a giant slalom race can average around 40km/h, with the slalom competitions being run at an even slower pace. There is also a fifth event, the super combined, which usually includes a shorter downhill (or a super G) race and a slalom. The winners of each event are the skiers who cross the finish line in the fastest time, with the technical disciplines including two runs per competitor while the speed events only include one descent per racer.

Now, time to meet the favourites. As usual, ladies first.

A generational change

The female tour begins the new season without a clear favourite, with the overall World Cup title being taken by four different athletes in the last four years. The reigning champion is the Austrian Anna Fenninger, who took the title from the hands of Maria Hoefl-Riesch after the German crashed in the final downhill of the season, in Lenzerheide.

Maria Hoefl-Riesch and Anna Fenninger, a duel that won’t be repeated in 2015

At the age of 25, Fenninger become the first Austrian woman to win the World Cup since 2007, when Nicole Hosp succeded, and seems to have the tools to repeat the feat. A complete skier, capable of accumulating points in downhill, super-G and giant slalom races, the Salzburg native boosted her confidence after leaving the 2014 Olympic Games with two medals, a gold in the super G and a silver in the giant slalom, and finished the season on a high note, taking the victory in the last three giant slaloms of the season to claim the discipline title along with the overall classification.

Meanwhile, Hoefl-Riesch, the 2011 World Cup Champion, announced her retirement at the end of last season, and won’t revive the long-time battles with her friend and rival Lindsey Vonn, another veteran of the circuit who, at the age of 30, will be back after recovering from a knee injury suffered in the downhill race of Val d’Isère last December. The American, a four-time World Cup champion (2008, 2009, 2010 and 2012) should make his first appearance of the year at Lake Louise, and expects to add some victories to her World Cup total of 59, just three shy of the record of 62 set by Austrian Annemarie Moser-Proell.

The 2013 champion, the Slovenian Tina Maze, also returns for what could be his final season on the tour. The 31-year-old enjoyed a record-breaking season in 2012-13, setting the highest point total in World Cup history, with 2414 points, but failed to be at his best in 2014, winning his first event in January, and only after going through a coaching change. With four Olympic medals on her résumé, including two Golds from the Sochi Games, the Slovenian’s motivation is being questioned and she has already announced her plans to take a season off in 2015-16. However, Maze is, along with Vonn, the only active skier to have won a World Cup event in all five disciplines, and, as such, her all-around ability makes her a treat in every race and a contender for the overall classification.

Lara Gut and Tina Maze, skiers on different phases of their careers

So, with the veterans on the downswing, a new generation seems ready to take the lead for real. Beyond Fenninger, all eyes will be on the Swiss Lara Gut, who started and finished last season on great shape but failed to keep the consistency throughout the year. Despite this, the 23-year-old managed to win the super-G title and a total of seven World Tour events, the most among all skiers, finishing in third on the overall classification. Tina Weirather, a 25-year-old from tiny Liechtenstein, was another strong competitor for the overall title last season, with her final classification, the fifth, failing to reflect the performance of a skier who was in second place until a fall during the pre-race trainings for the downhill event in Sochi led to the end of her season.

Mikael Shiffrin, already a super star at the age of 19

The wildcard in the competition for the big crystal globe is the American prodigy Mikaela Shiffrin. The 19-year-old already dominates with ease the slalom events, holding the last two World Cup titles on the discipline, along with the Olympic and World Championship titles, but still has to improve her speed skills to challenge for the overall crown. With that in mind, Shiffrin’s progresses on the giant slalom are noticeable and the expectations are for her to start racing the super-G too, making the American an even bigger candidate for the overall title, following the sixth placement of 2014. Moreover, the 2015 World Championships will be held in Shiffrin’s hometown, something will certainly increase her motivation.

Tessa Worley, the giant slalom World Champion, is back after a crash in Courchevel, on December 2013, ended her season, while Viktoria Rebensburg is, after Riesch’s retirement, Germany’s best bet for a good place on the overall classification. Sweden’s Frida Hansdotter, Maria Pietilla-Holmner and Jessica Lindell-Vikarby usually excel in the technical races, while the end of Marlies Schild’s career, the most successful in World Cup slalom history, leaves her sister, Bernardette Schild, and Kathrin Zettel as the best Austrians in the discipline.

Hirscher and the rest

On the men’s side, Marcel Hirscher won his third World Cup title in 2014, and, at the age of 25, is looking towards matching Marc Girardelli’s record of five championships, while hoping to accumulate more discipline titles to join the two already won in the slalom, and the 2011-12 triumph in the giant slalom. However, the 2013-14 season of the Austrian had his disappointing moments too, with Hirscher leaving the Sochi Olympics with a single silver medal, the first of his career.

Aksel Lund Svindal and Marcel Hirscher, a new battle will have to wait.

Aksel Lund Svindal, Hirscher’s biggest rival and the runner-up in the last two seasons, looked ready to challenge again for his third World Cup title, but teared his Achilles tendon last week during a friendly football match in Innsbruck, and will miss most of the season. The 31-year-old Norwegian is the current super-G and downhill champion and his presence will be missed, leaving Hirscher as the overwhelming favourite to collect the crystal globe and reach an unparalleled men’s fourth consecutive title.

Henrik Kristoffersen, the Norwegian phenomenom

Without Svindal, Ted Ligety, the 30-year-old American, looks eager to try to challenge for the overall title. A five-time giant slalom World Cup champion and the current super-G World Champion, Ligety needs to be more consistent in the slalom and super-G events if he hopes to improve on last year’s 4th overall place. Alexis Pinturault, of France, third overall last year and bronze medallist in the giant slalom of the 2014 Winter Games, also needs to step up his performance, since, like Hirscher, the 23-year-old excels in the technical disciplines. Norwegian Kjetil Jansrud, the Super-G Olympic champion, was sixth in the overall classification in 2013 and has the responsibility to carry his country’s hopes while Svindal is out, with 20-year-old phenomenon Henrik Kristoffersen, third on the Olympic slalom, slotted as a nice backup plan.

Outside of the overall contenders, emphasis on the 37 year-old Bode Miller, the last American to win the overall title, in 2007-08, and a man with 33 World Cup victories to his name. Probably on his last season in the circuit, Miller expects to challenge for the win on the historical downhill race of Hahnenkamm, Kitzbuhel, whilst he helps to develop the 26-year-old Travis Ganong, the new speed promise of American skiing. Another talent to watch is Austrian Matthias Mayer, the downhill Olympic Champion, who, at the age of 24, looked ready to take the discipline title from Svindal. However, Mayer recently suffered a knee injury that will keep him out until the races at the Canadian resort of Lake Louise.

Bode Miller, last season for a ski legend

Felix Neureuther, of Germany, lost the slalom title to Hirscher in the last race of the season and is always a treat in the technical competitions, with the same being true for Austrian slalom specialist Mario Matt, the man who broke Hirscher’s heart in Sochi, taking the Olympic title in the slalom on the last second. In the speed events, look also for Hannes Reichelt, of Austria, a former super-G World Cup champion, and Erik Guay, a Canadian skier who is a former winner of the World Cup in the disciplines of downhill and super-G.

European Tour of Sports: Austria

The basics

Population: 8.5 M

Area: 83.8 km2

Capital: Vienna

Summer Olympic Medals: 86 (18G-33S-35B)

Winter Olympic Medals: 218 (59G-78S-81B)

Popular sports

There’s no other country in the world that loves alpine skiing as much as Austria and without surprise they’re the most successful ones in the history of the sport. More than half of those 218 medals won at the Winter Olympics were earned by the Austrian alpine skiers, and some of biggest names to ever grace the slopes, like Hermann Maier, Annemarie Moser-Proll and Toni Sailer, were born there. Moreover, in the summer, Austrians dedicate themselves to mountaineering, with the best Austrian mountain climbers being pioneers in conquering most of the world’s biggest peaks. The diverse mountains and slopes are also used for ski jumping, with Austria leading the historical World Cup tables for both individual and team medals.

The most important team sport is football, as the National Team finished in 3rd place at the 1934 World Cup and in 4th place 20 years later, but the Austrians have failed to make a stand in the last few decades, even when the country co-organized (with Switzerland) the 2008 UEFA European Championship. No Austrian club has ever won a European competition, with SK Rapid Vienna being the most supported and successful club in the country and Red Bull Salzburg emerging as the leading power in Austrian football during the last few years. In motor sports, the much expected return of the Formula One to Austria occurred in 2014, a deserved gift for country that has celebrated the titles of two former world champions in the discipline (Niki Lauda and Jochen Rindt). Table tennis, swimming, luge, and tennis have also delivered important successes in the past, while beach volleyball, despite the lack of sea beaches, is quite popular.

Star Athletes

Gregor Schlierenzauer (Ski Jumping)

Gregor Schlierenzauer

Despite being only 24 years old, Schlierenzauer is already one of most decorated ski jumpers of all time. After debuting in the World Cup at the precocious age of 16, “Schlieri” didn’t take a long time to make a splash, finishing 2nd in the prestigious Four Hills Tournament of 2006-2007 and 4th in the overall World Cup classification in the same season. Two years later, the Innsbruck native won his first World Cup title with an impressive total of 11 wins on the season and set a new overall points record, with 2083, repeating the overall World Cup success in 2012-13. His current total of 52 victories in World Cup events is an all-time record and he also owns several medals in World Championships, both in individual and team competitions. Two individual bronze medals from the 2010 Olympic Games, and the gold and silver medals from the team competitions at the Vancouver and Sochi Olympics, respectively, also figure in his extensive list of accomplishments

Anna Fenninger (Alpine Skiing)

This spot probably should have belonged to Marcel Hirscher, the three-time Overall World Cup winner, but since I get to play favourites here, I’ll go with the golden girl from Salzburg. Anna Fenninger participated in her first World Cup events at the age of 17, in 2006, evolving in all five alpine disciplines, but her breakthrough moments came only five years later. A surprising win in the super combined event at the 2011 World Champions held in Garmisch-Partenkirchen preceded her first World Cup win, on the 2011-2012 giant slalom of Linz, and she kept progressing in the next years, finishing third in the overall World Cup classification of the 2012-13 season. Then, during the 2013-2014 season, the 25-year old achieved Olympic success, capturing the gold medal in the super-G and the silver medal in the giant slalom at the Sochi Games, before clinching her first big Crystal Globe as Overall World Cup Champion, a title complemented with the small globe of the giant slalom discipline.

Anna Fenninger and a 2014 to remember

Thomas Vanek (ice hockey)

The best Austrian ice hockey player of all time was born in 1984, inside a family who emigrated from the Czechoslovakia, and moved to the United States as a 14-year-old to pursue his dream of becoming a professional player. Later, after winning the NCAA National championship as a member of the University of Minnesota Golden Gophers, Vanek was the 5th player selected in the 2003 NHL Entry Draft, becoming the highest drafted Austrian in NHL history. He joined the Buffalo Sabres in 2005, playing for the team over eight seasons and reaching a conference final in 2006-07, the year where he also posted his best statistical offensive numbers, with 43 goals and 84 points. In 2013-2014, the last year of his contract, the left-wing was traded twice before deciding to sign, last July, with the Minnesota Wild. A productive forward over his career in the NHL, the gifted goal scorer has played multiple times for his national team, winning the World Championships (Group A) in 2008 and captaining his country in the 2014 Winter Olympics.

Others: Thomas Morgenstern (Ski Jumping), Marcel Hirscher (Alpine Skiing), David Alaba (football), Andreas and Wolfgang Linger (Luge)


Innsbruck, the Austrian capital of winter sports, hosted the Winter Olympic Game in two occasions (1964 and 1976) and is one of the three cities in the world to boast that achievement. Located in the west part of the country, the capital of the state of Tirol is situated on a valley surrounded by a part of the Northern Alps, and offers easy access to several ski resorts, including Igls, home of Olympic Sliding Center, Seefeld and Muttereralm. Bergiselschanze, Innsbruck’s ski jumping hill, receives, in the first week of the New Year, the third competition of the Four Hills Tournament, one of most important moments of the Ski Jumping World Cup season.

About 100km east of Innsbruck, Kitzbuhel is a small medieval town known for its main ski resort, situated in the Hahnenkamm Mountain and the place of one of the toughest events on the Alpine Skiing World Cup calendar.

The Hahnenkamm downhill event, in Kitzbuhel

As the country is mostly renowned for the ski resorts, there are not a lot of stadiums or indoor venues internationally recognizable, with the exception of the 50 000 seat’s Ernst-Happel Stadium in Vienna, the home of the Austrian Football Team and the venue for the 2008 UEFA European Championship Final.

Yearly Events

A number of sporting events can be attended every year in Austria. Here is a list of the most relevant:

Alpine Skiing World Cup Events

Soelden (October), Semmering (December), Bad Kleinkirchheim, Flachau, Kitzbuhel, Schladming (January), Saalbach (February)

The popular Klagenfurt Beach Volleyball Grand Slam

Ski Jumping World Cup Events

Innsbruck, Bischofshofen, Tauplitz/Bad Mitterndorf, Hizenbach (January)

Tennis Tournaments

WTA Bad Gastein, ATP Kitzbuhel (July), WTA Linz, ATP Vienna (October)

Austrian Formula One Grand Prix

At the Red Bull Ring in Spielberg (June)

FIVB Beach Volleyball A1 Grand Slam

Klagenfurt (July)

WTA Finals Preview

In 2012, Serena Williams came out on top. Time for a revenge?

The cosmopolitan city of Singapore receives for the first time the best women’s tennis players of the world in the much-anticipated WTA Finals tournament. Rebranded from the previous designation as WTA Championships, the event will feature the eight best singles players of the year in a round robin type format, with the players divided in two groups of four. Let’s take a look at each competitor and recap their season.

Red Group

Serena Williams (1)

Winner of this competition in 2013, her fourth title in the season ending tournament, the 2014 season of the American veteran did not match the shine of the previous year, when 11 titles, including at Roland Garros and the US Open, comprised the best year of her illustrious career. Early exits on the clay and grass majors were huge disappointments, with winning performances in New York, Brisbane, Miami, Rome, Stanford and Cincinnati as the high points. Thus, the world’s best player is under pressure in Singapore. Her lead on the ranking shrank to less than 500 points after the last update and, with 1500 points to defend, anything short of a win could not be enough to secure the fourth number one season of his career. Moreover, her physical condition might not be ideal, since after winning the US Open, her 18th Grand Slam, Serena retired in Wuhan, and walked out before the quarters in Beijing with a left knee injury that put her presence on the Finals in danger. However, with a combined 11-1 record against her group opponents, Serena looks to be at ease in the preliminary stage, getting ready for a possible showdown later with rival Maria Sharapova.

Simona Halep (4)

Simona Halep won two trophys in 2014, including this one in Doha, Qatar

Third woman to secure a place in Singapore, the Romanian proved in 2014 that her breakthrough performance at the end of 2013 was no fluke. Despite conquering only 2 tournaments, Doha and Bucharest, after the six wins of 2013, Halep reached her first Grand Slam final at Roland Garros, losing to Sharapova, and was close to a second one in Wimbledon, before being defeated in the semis by Genie Bouchard. A surprising loss in the round of 32 of the US Open signalized a weak end of the season, but the aggressive baseliner has all the conditions to aspire to a good result in Singapore, fighting for a place in the semis with Bouchard and Ivanovic. Just the third Romanian to appear in the WTA top 10 list, the 23-year old debuts at the end of the year tournament after reaching a career-best second place in the world rankings back in August.

Eugenie Bouchard (5)

The biggest surprise of the tour in 2014, Bouchard exploded quickly into the top 10 after an impressive junior career and a promising 2013 season. Her semi-final at the Australian Open stunned everyone and the young Canadian never looked back, winning in Nurnberg, repeating the semis performance at Roland Garros and going one step further in Wimbledom, ultimately falling to Petra Kvitova. After that, the North-American hard court season didn’t go as planned, with sub-par showings at home on the Rogers Cup and at the US Open, but the 20-year old rebounded to reach her third WTA final of the season in Wuhan and secure a place in Singapore. Probably the first of many presences at the WTA Finals, the Canadian will take part in what looks to be the three-player battle for the second place on the red group.

The Canadian dazzled at the Australian Open in January

Ana Ivanovic (7)

The former Roland Garros champion had a surprising surge up the rankings in 2014. The Serbian’s year started with a win in Auckland, her first title in more than two years, and continued with a strong showing at the Australian Slam, defeating the favourite Serena Williams in route to the quarters. Despite not impressing in the rest of the majors, Ivanovic collected points in smaller tournaments, reached five more finals, winning in Monterrey, Birmingham and Tokyo, and quietly rose up the rankings, booking her spot in the year-end tournament for the first time since 2008. A former world number one, this event seems like a good chance to evaluate her chances of battling again for the top tournaments.

White Group

Maria Sharapova (2)

The precocious ending to the 2013 season, missing out on the US Open and the WTA Championships, was probably responsible for a less than ideal beginning of 2014, with the Russian never looking comfortable. However, when the clay court season rolled around, Sharapova regained her best form and powered through Stuttgart, Madrid and Roland Garros, failing only to leave her mark in Rome, eliminated by Ana Ivanovic. Beaten in the round of 16 both at Wimbledon and New York, the Siberian regained her confidence with a win in Beijing and arrives in Singapore hoping to take her second Finals title and overthrow Serena as the best player of the year, a distinction she never got before. Although, in order to do that, she will probably need to beat her rival, something she hasn’t done in 10 years, holding a 2-16 record against the American.

Petra Kvitova (3)

Petra Kvitova won Wimbledon for the second time

Since 2011, when she surprised by taking her first major title at Wimbledon, the Czech has been an irregular player. Capable of overpowering most of her opponents, Kvitova failed to reach another Grand Slam final until July, when, back at the iconic grass of London, she reclaimed her title after beating with ease Eugenie Bouchard. Bounced very early in the other three slams, the 24-year old appeared in good shape in September, taking the spoils in Wuhan and losing in the final at Beijing. Now, on her fourth consecutive presence in the final tournament of the season, Kvitova hopes to repeat the achievement of 2011, when she coupled the Masters to the British Slam.

Agnieszka Radwanska (6)

At the age of 25, Radwanska has already been a top 10 player in the WTA Tour for six seasons, but despite all the talent, she still has to breakthrough in the big competitions. A single Grand Slam final, at the 2012 Wimbledon tournament, is a weak reward for all those years of beautiful, smart tennis. The soft-touch Polish won an important event in 2014, the Rogers Cup, after winning three WTA titles in each of the last three seasons, but disappointed yet again with defeats to unheralded opponents at the French, British and American Majors, and a tough loss to Dominika Cibulkova on the semis at Melbourne Park. A lost final in Indian Wells, against Flavia Pennetta, and a semi-final defeat to Maria Sharapova in Madrid, are the only other note-worthy results of an inconsistent season. Despite the five previous presences, the WTA Championships have also never been kind to Radwanska, with a single appearance past the group phase, in 2012, as another example of the inadequate resume sported by one of the most popular players on the Tour.

Agnieszka Radwanska, eternal underachiever?

Caroline Wozniacki (8)

A former world number one and the “best” player of the 2010 and 2011 seasons, the steady Dane finished the last two years just inside the top 10, but never looked like a real contender to win a major tournament. That did not change in 2014, with Wozniacki sneaking into the WTA finals after the retirement of Li Na, but she did manage to keep her streak of six consecutive years with a WTA tournament win, after claiming the title in Istanbul. A surprising run all the way to the final at the US Open, where she lost with her close friend Serena Williams, remembered most tennis fans that the 24-year is still a player to reckon, with her spot in Singapore arriving after the lost final at Tokyo. A finalist in 2010, Wozniacki is the last seed of the tournament and her chances of repeating that result seem, at the very least, questionable.

Angelique Kerber and Ekaterina Makarova are also in Singapore as alternate players. The German, number 10 in the World, lost the four finals she played this season (Eastbourne, Stanford, Sidney and Qatar), with a quarter-final appearance at Wimbledon counting as her best result of the year in the Grand Slams. The 26-year Russian enjoyed her best season to date, reaching her first Grand Slam semi-final at the US Open and being a quarter-finalist at Wimbledon. She also won her second career WTA title, triumphing in Pattaya City back in January.

[PT] Antevisão da nova temporada da NHL: Divisão do Pacífico

A Divisão do Pacífico conta com os campeões em título, dois rivais ansiosos por vingar eliminações dolorosas, três formações canadianas longe dos tempos áureos e uma equipa perdida no meio do deserto.

Conheça melhor cada uma delas e perceba porque esta é, provavelmente, a menos imprevisível divisão da atual NHL.

Edmonton Oilers (EDM)

Classificação em 2013-2014: 29-44-67, 67 pontos, fora dos playoffs

Outra temporada de desilusão em Edmonton, cidade onde a coleção de primeiras escolhas no draft tarda em recolocar a equipa na rota dos playoffs. Dallas Eakins, no primeiro ano no cargo, chocou com Nail Yakupov, protestou com a falta de compromisso defensivo dos seus jogadores e procurou acelerar o desenvolvimento das promessas, mas um começo medíocre que custou o lugar ao guardião titular (Devan Dubnyk) fez com que a equipa nem se aproximasse dos playoffs. E para aumentar a frustração dos adeptos, os Oilers voltaram a terminar no último lugar da divisão, atrás dos rivais de Alberta.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Nikita Nikitin (CBJ), Benoit Pouliot (NYR), Teddy Purcell (TBL), Mark Fayne (NJD)

Principais Saídas: Sam Gagner (ARI), Ryan Smith (final de carreira), Anton Belov (KHL),

A péssima classificação permitiu aos Oilers obter a terceira escolha no draft e selecionar o possante central alemão Leon Draisatl, um complemento excelente, mesmo que só a partir de 2015, para o habilidoso Ryan Nugent-Hopkins. Sam Gagner, depois de meses de rumores, foi finalmente trocado para Tampa Bay pelo ala Teddy Purcell, e acabou por assentar em Arizona, enquanto o veterano capitão Ryan Smith retirou-se. Benoit Pouliot, um pretendido agente livre, surpreendeu ao escolher Edmonton e aumenta a profundidade ofensiva de uma equipa que na defesa melhorou bastante com as aquisições de Nikitin e do discreto e eficaz Fayne. Mas nada disto importa se, entre os jovens craques, apenas Taylor Hall parece produzir à altura do seu talento.

Principais Jogadores: Taylor Hall, Ryan Nugent-Hopkins, Jordan Eberle, Nail Yakupov, Justin Schultz, Andrew Ference (Capitão)

Jogador a seguir: Nail Yakupov. A memória dos 17 golos e inúmeras jogadas eletrizantes protagonizadas na época de 2012-13, a de estreia na NHL, parece esquecida e substituída pelos constantes rumores de insatisfação, desentendimentos com o treinador, e recusa em trabalhar defensivamente. Por isso, o russo tem muito a provar no novo ano e o seu empenho em melhorar o domínio do inglês parece um bom sinal de que a atitude e produtividade no gelo mudarão para melhor. Também não é difícil fazer mais que 11 golos e 24 pontos quando se tem as qualidades que o ala, de apenas 21 anos, apresenta, desde a velocidade e explosividade até à capacidade de remate. Nada melhor que uma época com 30 golos para Yakupov afastar os rumores e reafirmar-se como um pilar do futuro dos Oilers.

Previsão: Será este o ano em que os Oilers encontram finalmente o equilíbrio? É sabido que conseguem marcar golos com os melhores, mas terão um comportamento defensivo condizente com o fim do jejum de 8 anos sem playoffs, conquistando um lugar logo atrás dos três gigantes californianos? Se a dupla Ben Scrivens/Viktor Fasth corresponder na baliza, é possível, mas os adeptos não devem contar muito com isso.

Calgary Flames (CGY)

Classificação em 2013-2014: 35-40-7, 77 pontos, fora dos playoffs

Faltava talento ao plantel dos Flames mas nunca faltou esforço. Com os adeptos a perceberem que a equipa estava a dar os primeiros passos no processo de reconstrução, os comandados de Bob Hartley lutaram bravamente noite após noite para dificultarem o trabalho dos adversários, e venceram mais jogos que o esperado, fugindo ao último lugar na divisão.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Jonas Hiller (ANA), Deryk Engelland (PIT), Mason Raymond (TOR), Raphael Diaz (NYR), Devin Setoguchi (WIN), Brandon Bollig (CHI)

Principais Saídas: Mike Cammalleri (NJD), TJ Gagliardi (WIN), Shane O’Brien (FLA)

Jim Treliving, novo GM da equipa, efetuou algumas aquisições astutas, desde Mason Raymond, um avançado veloz e capaz de jogar em qualquer das três linhas principais, até Setoguchi, uma promessa adiada que chega a baixo custo, e Hiller, guardião experiente que deve ser titular e fornecer estabilidade. Pela negativa, ofereceu também um contrato despropositado, tanto em valor como em termo, ao fraco defesa Deryk Engelland. Quanto a Sam Bennett, a primeira escolha da equipa no draft, deve evoluir mais um ano nas ligas juniores. Relativamente a saídas, Mike Cammalleri, melhor goleador da equipa, optou por prosseguir a carreira numa formação com hipóteses reais de chegar aos playoffs, enquanto a passagem de TJ Gagliardi pela equipa da cidade natal durou apenas uma temporada.

Principais Jogadores: Sean Monahan, Mikael Backlund, Mark Giordano, T.J Brodie

Jogador a seguir: Johnny Gaudreau. Aos 21 anos, e depois de três temporadas a estudar em Boston, a 104ª escolha do draft de 2011 tem finalmente a oportunidade de deixar a sua marca na NHL. Ala diminutivo, o que falta a Gaudreau em tamanho sobra em talento, com o americano a ser um dos mais impressionantes jogadores da história do circuito universitário, tendo somado 80 pontos em apenas 40 jogos no último ano ao serviço do Boston College, algo que lhe valeu o prémio de melhor jogador e o estabelecimento de recordes de produtividade ofensiva. Detendo uma técnica de controlo do disco quase impar, enorme habilidade e excelente velocidade e aceleração, Gaudreau precisará de tempo para se adaptar aos rigores de um calendário apertado, e a um maior nível de intensidade, mas quando o fizer promete deliciar os adeptos da modalidade.

Previsão: A época dos Flames conjugará, mais uma vez, o desenvolvimento dos jovens, a manutenção de bons hábitos de trabalho e…a obtenção de maus resultados, já que existem dois prodígios à espera de serem escolhidos em Junho de 2015 e a chegada de um deles pode acelerar grandemente o sempre desagradável processo de reconstrução.

Johnny Gaudreau (53) tenta libertar-se de um adversário (Jim Wells/Calgary Sun/QMI Agency)

Vancouver Canucks (VAN)

Classificação em 2013-2014: 36-35-11, 83 pontos, fora dos playoffs

O clássico exemplo onde a emenda é pior que o soneto. Mike Gillis levou John Tortorella para Vancouver procurando que o perfil combativo e exigente do técnico americano espicaçasse um grupo que parecia desinteressado sobre a direção do afável Alain Vigneault, mas as coisas estiveram longe de resultar. Com um plantel envelhecido e onde os principais jogadores foram sobrecarregados e mal utilizados, os Canucks falharam os playoffs pela primeira vez em 5 anos, e tanto o treinador como o homem que o foi buscar foram despedidos.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Ryan Miller (STL), Nick Bonino (ANA), Luca Sbisa (ANA), Radim Vrbata (ARI), Linden Vey (LAK), Derek Dorsett (NYR)

Principais Saídas: Ryan Kesler (ANA), Jason Garrison (FLA), Mike Santorelli (TOR), David Booth (TOR)

Trevor Linden, histórico capitão da franchise, foi recuperado para a presidência da equipa e rapidamente integrou Jim Benning, novo GM e Willie Desjardins, o novo treinador. Um dos primeiros atos de Benning foi resolver a situação Ryan Kesler, que solicitou uma troca a Gillis, mas só viu o seu desejo correspondido no dia do draft. Com os Ducks como único parceiro aprovado pelo central, Benning teve que concluir o negócio a partir de uma posição precária mas não se saiu mal, obtendo um substituto condigno em Nick Bonino, e um jovem defesa, Sbisa, que serve para cobrir a saída de Garrison. Chegado o primeiro dia do mercado, Benning conseguiu convencer Ryan Miller a defender a baliza da equipa, impedindo que o lugar fosse discutido pelos pouco confiáveis Jacob Markstrom e Eddie Lack. Radim Vrbata, goleador de créditos firmados, foi roubado ao um dos rivais de divisão e deve completar uma potente linha principal com os irmãos Sedin, que após uma época para esquecer apostam em regressar ao melhor nível.

Radim Vrbata já comemora ao serviço dos Vancouver Canucks (Getty Images)

Principais Jogadores: Daniel Sedin, Henrik Sedin (Capitão), Dan Hamhuis, Kevin Bieksa, Alex Edler, Ryan Miller

Jogador a seguir: Nick Bonino. Jogador de desabrochar tardio, Bonino carrega a responsabilidade de ser tanto o principal retorno como o esperado substituto do influente Kesler. Numa equipa em redefinição, o central de 26 anos terá que mostrar capacidades em ambas as extremidades do gelo e repetir os mais de 20 golos obtidos o ano passado, tarefa difícil quando não pode partilhar o powerplay com craques do nível de Ryan Getzlaf e Corey Perry.

Previsão: Fora dos playoffs. Willie Desjardins foi um dos treinadores mais cortejados durante o defeso e parece ter qualidades para ajeitar um barco que virou no ano passado. Contudo, os problemas de profundidade dos Canucks mantêm-se e a equipa não está mais perto do nível patenteado pelos mais fortes adversários na divisão. A formação canadiana vai lutar por um dos Wild Cards, mas este parece ser outro ano em que a divisão só deve enviar três equipas aos playoffs, e os Canucks não devem ser uma delas.

Arizona Coyotes (ARI)

Classificação em 2013-2014: 37-30-15, 89 pontos, fora dos playoffs

Para celebrar o término do longo período de incerteza quanto à permanência da equipa em Glendale, os Phoenix Coyotes, mesmo recebendo mais apoio das bancadas, voltaram a falhar os playoffs. No entanto, em jeito de atenuante, referir que apenas dois pontos os separaram do objetivo, com a lesão tardia do guardião Mike Smith, jogador-chave para o sistema da equipa, a poder explicar a diferença.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Sam Gagner (TBL), B.J. Crombeen (TBL), Devan Dubnyk (MTL), Joe Vitale (PIT)

Principais Saídas: Radim Vrbata (VAN), Mike Ribeiro (NAS), Thomas Greiss (PIT), Paul Bissonette (Free Agente)

Os Coyotes deixaram de carregar o nome de uma cidade onde nem jogam e passam a publicitar o estado do Arizona, sendo essa a principal novidade do seu defeso, mas não a única. Uma equipa com dificuldades para marcar viu sair dois dos seus melhores pontuadores, com Mike Ribeiro a ser dispensado devido a problemas disciplinares, apena um ano depois de assinar um contrato de longo termo, e Vrbata a optar por deixar novamente a única cidade da NHL onde brilhou. Sam Gagner, que viu os seus direitos pertencerem aos Tampa Bay Lightning por um par de horas, deve substituir a produção do luso-canadiano, lutando com Hanzal e Vermette pelo direito de centrar a primeira linha da equipa. Dubnyk substitui Greiss como suplente de Smith, enquanto a troca de Vitale por Bissonnette não faz qualquer diferença no quadro geral.

Principais Jogadores: Shane Doan (Capitão), Antoine Vermette, Martin Hanzal, Oliver Ekman-Larsson, Keith Yandle, Mike Smith

Jogador a seguir: Sam Gagner. Sete anos depois de ter sido escolhido pelos Oilers e visto o seu desenvolvimento apressado de forma incompreensível, Sam Gagner muda finalmente de ares. Já com 25 anos e após quase 500 jogos disputados na NHL e nenhuma temporada acima dos 20 golos ou 50 pontos, o central tem a cotação em baixo e precisa de aproveitar a oportunidade para provar o talento que se lhe reconhece. Os Coyotes não esperam o jogador que um dia conseguiu 8 pontos num jogo igualando um dos recordes de Wayne Gretzky, mas precisam de um Gagner que consiga mostrar regularmente a sua visão de jogo e criatividade, colocando-a ao serviço dos companheiros de linha.

Previsão: Fora dos playoffs. A exemplo do que se passa com Canucks e Oilers, os Coyotes vão ameaçar os Wild Cards mas não parecem capazes de superar a quinta melhor equipa da Divisão Central. Na falta de talento ofensivo de topo e praticando um hóquei pouco atrativo, seguir os Coyotes vale essencialmente pela possibilidade de observar Ekman-Larsson e Yandle, dois dos mais entusiasmantes defesas da atual NHL.

Antoine Vermette (50) e Shane Doan (19), dois dos jogadores mais importantes dos Arizona Coyotes (Christian Petersen/Getty Images)

(Continuar a ler em

[PT] Antevisão da nova temporada da NHL: Divisão Metropolitana

A Divisão Metropolitana inclui um candidato ao título que mudou drasticamente, o finalista do ano passado, duas equipas que seguem em sentidos contrários, três formações ansiosas por voltar aos playoffs e um conjunto que parece a caminho do fundo da tabela da NHL.

New York Islanders (NYI)

Classificação em 2013-2014: 34-37-11, 79 pontos, fora dos playoffs

Depois de terem puxado os Penguins até ao limite em 2013, as expectativas eram grandes em Long Island mas a época acabou por se revelar uma desilusão. Nem a troca pelo craque Thomas Vanek, ainda bem cedo na temporada, compensou todas as fragilidades defensivas, e a equipa sucumbiu definitivamente após a lesão de John Tavares em Sochi.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Jaroslav Halak (WAS), Mikhail Grabovski (WAS), Nikolai Kulemin (TOR), Chad Johnson (BOS), Nick Leddy (CHI), Johnny Boychuk (BOS), Cory Conacher (BUF)

Principais Saídas: Evgeni Nabokov (TBL)

Depois de o veterano Nabokov demonstrar que o seu tempo como titular na NHL está mais que esgotado, o GM Garth Snow demorou pouco tempo a resolver o problema, assinando com o competente eslovaco Jaroslav Halak e com o suplente dos Boston Bruins, Chad Johnson, formando assim uma parelha de qualidade muito superior à dos tempos mais recentes. No ataque, a chegada de Grabovski e Kulemin, uma dupla que brilhou em Toronto há umas temporadas, contribuiu para uma significativa melhoria quantitativa e qualitativa, com o bielorrusso a permitir baixar o dinamarquês Frans Nielsen para o centro da 3ª linha de ataque, posição onde encaixa melhor. Com a adição, em cima do começo da temporada, de Leddy e Boychuk, a defesa saiu significativamente reforçada, permitindo que jovens como Calvin de Haan e o estreante Griffin Reinarth desfrutem de mais tempo para crescer.

Principais Jogadores: John Tavares (Capitão), Kyle Okposo, Frans Nielsen, Lubomir Visnovsky, Travis Hamonic, Jaroslav Halak

Jogador a seguir: Jaroslav Halak. O eslovaco saltou para a ribalta em 2010, levando os Canadiens à final de Conferência com algumas exibições inesquecíveis, mas desde aí não se conseguiu impor totalmente. A passagem por St. Louis não foi positiva, mostrando repetidamente a inabilidade para conquistar o lugar em definitivo, e terminou em Março com uma breve paragem por Buffalo e uns meses em Washington. Numa equipa onde terá menos pressão mas muito mais trabalho, espera-se uma afirmação que justifique os bons números que, apesar de tudo, foi sempre mantendo.

Previsão: Na luta por um lugar nos playoffs até ao final. A última temporada da equipa no velhinho Nassau Coliseum, antes da mudança para Brooklyn, parece destinada a assistir a um ressurgimento do entusiasmo patenteado em 2012. Contando com o regresso em pleno de Tavares e um grupo de apoio onde se destaca Okposo, os Islanders prometem ser difíceis de bater e uma formação com que contar.

Kyle Okposo e o luso-canadiano John Tavares, dínamos do ataque dos NY Islanders (Al Bello/Getty Images)

Carolina Hurricanes

Classificação em 2013-2014: 36-35-11, 83 pontos, fora dos playoffs

Sem a benesse de competir na extinta divisão do Sudoeste, os Hurricanes falharam pela quinta vez consecutiva os playoffs, terminando apenas à frente dos New York Islanders na nova divisão Metropolitana. Com um plantel recheado de craques bem pagos e pouco produtivos, o resultado medíocre custou o lugar ao treinador Kirk Muller e ao GM de longa data, Jim Rutherford.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Jay McClement (TOR), Tim Gleason (TOR)

Principais Saídas: Manny Malhotra (MTL), Justin Peters (WAS), Andrei Loktionov (UFA)

Depois de Ron Francis, histórico capitão da franchise, ter sido promovido de assistente de Ruherford a novo GM, os Hurricanes apontaram Bill Peters, adjunto de Mike Babcock nos Detroit Red Wings, como o novo treinador. Apesar de ter espaço salarial para utilizar, a formação sediada em Raleigh esteve muito discreta no mercado, promovendo apenas uma troca direta de centrais na quarta linha de ataque e o regresso de Gleason, defesa que tinha sido trocado para os Leafs em Janeiro. O fim oficial da era de Cam Ward como titular da baliza foi adiado devido à impossibilidade de trocar o veterano, pelo que Khudobin terá que reconquistar a posição. Já com a pré-temporada em andamento, o importantíssimo Jordan Staal partiu a perna e ficará de fora alguns meses, abrindo uma lacuna atacante dificilmente colmatável.

Principais Jogadores: Eric Staal (Capitão), Jordan Staal, Alexander Semin, Jeff Skinner, Justin Faulk, Andrej Sekera

Jogador a seguir: Elias Lindholm. O jovem sueco de 19 anos, escolhido com a 5ª escolha do draft de 2013, teve uma temporada de estreia interessante, somando 21 pontos em 58 jogos muito devido à boa química desenvolvida com Skinner. Versátil, trabalhador e competente em ambas as extremidades do gelo, alguma falta de tamanho e força podem dificultar a afirmação ofensiva de um jogador que deve ser obrigado a suprir a ausência de Jordan Staal.

Previsão: Fora dos playoffs. Muita coisa teria que correr bem para os Hurricanes ameaçarem sequer os playoffs, com o último lugar da divisão a ser o resultado final mais previsível, e a valer um bilhete para a corrida aos prodígios Connor McDavid e Jack Eichel. Mesmo assim, expectativa para ver como o capitão Eric Staal (61 pts) e Alex Semin (44 pts) respondem depois de um ano para esquecer, e se Skinner (33 golos) dá novo passo na afirmação como um dos melhores goleadores da NHL.

New Jersey Devils (NJD)

Classificação em 2013-2014: 35-29-18, 88 pontos, fora dos playoffs

0V-13D. O desempenho dos Devils no shootout marcou indelevelmente a temporada de uma formação que perdeu os playoffs por apenas cinco pontos. Mas seria redutor reduzir o insucesso da época ao azar no desempate, já que a equipa também apresentou dificuldades para marcar em tempo normal (27º lugar em 30), apesar de dominar as incidências da maioria dos jogos, e na baliza demonstrou demasiado respeito para com a lenda Martin Brodeur. Claramente superado por Cory Schneider, Brodeur iniciou demasiadas partidas e os Devils ficaram de fora da fase decisiva da temporada, uma situação que podia ter sido evitada.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Mike Cammalleri (CGY), Martin Havlat (SJS)

Principais Saídas: Mark Fayne (EDM), Anton Volchenkov (NAS), Martin Brodeur (UFA),

Indiscutivelmente um dos melhores guardiões da história deste desporto, a carreira de Brodeur parece ter chegado ao fim, uma vez que o canadiano continua sem clube para a nova temporada. Por outro lado, Schneider renovou contrato com os Devils e assume finalmente a titularidade incontestada de uma equipa da NHL. Lou Lamoriello, GM dos Devils, reforçou o ataque com a contratação do goleador Cammalleri, juntando ainda o desacreditado Havlat, outro veterano checo que encontra um lugar na envelhecida equipa de New Jersey. A saída do sólido e discreto Fayne deve resultar em mais oportunidades para Jon Merril, Adam Larsson, que tarda em confirmar o potencial, e Eric Gelinas, que surpreendeu no ano passado com o seu fortíssimo remate.

Principais Jogadores: Jaromir Jagr, Patrick Elias (capitão), Adam Henrique, Travis Zajac, Andy Greene, Cory Schneider

Cory Schneider, finalmente um titular incontestado (Bruce Bennett/Getty Images)

Jogador a seguir: Cory Schneider. Escolhido pelos Vancouver Canucks na primeira ronda do draft de 2004, Schneider teve que esperar muito tempo por um lugar ao sol na NHL. O americano assinou pelos Canucks em 2008, mas só recebeu o lugar de suplente na NHL em 2010. No final dessa temporada, os problemas de Roberto Luongo nos playoffs deram-lhe a oportunidade de experimentar os jogos de maior pressão e a importância de Schneider foi crescendo a cada dia. No ano do lockout, a titularidade pareceu finalmente conquistada mas as dificuldades em trocar Luongo fizeram Mike Gillis mudar de ideias e decidir abrir mão de Schneider. Após uma primeira temporada ao serviço dos Devils onde encostou Brodeur, Schneider tem finalmente, aos 28 anos, a garantia de uma época como titular indiscutível, e se conseguir números parecidos aos que obteve até aqui (0.921 SV%, 2.12 GAA), os Devils podem bem usufruir de um dos cinco melhores guardiões da NHL na próxima meia década

Previsão: Fora dos playoffs mas não por muito, ou seja, o mesmo destino de 2013-14. A fórmula em New Jersey mantem-se ano após ano. Defender com rigor, frustrar o adversário, e aproveitar as oportunidades que surgem, uma espécie de catenaccio aplicado ao hóquei. Mas com as armas ofensivas cada vez mais veteranas (Jagr e Elias, os dois melhores pontuadores da equipa no ano passado, somam em conjunto 80 primaveras), e sem perspetivas de substituição, parece uma questão de tempo até a equipa contemplar uma reconstrução profunda.

Washington Capitals (WAS)

Classificação em 2013-2014: 33-30-14, 90 pontos, fora dos playoffs

Pela primeira vez em sete anos, os Capitals falharam os playoffs, sofrendo com a incapacidade em marcar golos fora da situação de vantagem numérica. Como, ao contrário do que acontecia em 2007, a equipa falhou o objetivo mínimo durante um dos anos de topo da carreira de Alex Ovechkin, chegou a hora de mudanças drásticas na capital dos EUA. Depois de 17 anos, George McPhee foi afastado da posição de GM, enquanto o treinador Adam Oates também foi despedido.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Matt Niskanen (PIT), Brooks Orpik (PIT), Justin Peters (CAR)

Principais Saídas: Mikhail Grabovski (NYI), Jaroslav Halak (WAS), Dustin Penner (UFA)

Brian MacLellan foi promovido a GM dos Capitals e rapidamente agarrou o mais reputado treinador no mercado, Barry Trotz, que tinha acabado de deixar os Nashville Predators. Habituado a ter opções atacantes deficitárias em Nashville, Trotz terá a oportunidade de implementar a sua filosofia numa equipa com o melhor goleador da NHL. Quanto ao plantel, as duas principais aquisições vieram dos rivais Pittsburgh Penguins, com o emergente Niskanen e o veterano Orpik a reforçarem uma defesa que estava longe de ser confiável para lá dos três principais jogadores (Carlson, Alzner, Green). O outro recém-chegado, Justin Peters, será o suplente de Holtby. A saída de Grabovski reabriu o buraco no centro da segunda linha ofensiva, uma posição essencial que deve acabar por ser disputada entre Marcus Johansson, Evgeni Kuznetsov, Brooks Laich ou o estreante Andre Burakovsky.

Principais Jogadores: Alex Ovechkin (Capitão), Nicklas Backstrom, John Carlson, Mike Green, Braden Holtby

Jogador a seguir: Evgeni Kuznetsov. O talentoso avançado russo fez finalmente a travessia até à NHL no final da época passada, participando em 17 jogos e ambientando-se ao jogo nos rinques de menor dimensão. Habitualmente um ala dinâmico, rápido e tecnicamente dotado, Kuznetsov pode acabar por ser adaptado a central ou receber o bilhete dourado para jogar com Ovechkin e Backstrom. Qualquer que seja o destino, o russo perfila-se como um dos grandes candidatos ao prémio de rookie da temporada.

Previsão: Presença nos playoffs. Trotz conseguiu resultados impressionantes com os parcos recursos de que dispôs em Nashville ao longo dos anos e parece capaz de colocar os Capitals novamente no rumo certo. Com um processo defensivo aperfeiçoado, o guardião Holtby pode ser uma das grandes surpresas da temporada e fazer a diferença caso a equipa chegue aos playoffs, o que só acontecerá se o ataque voltar a produzir em 5 para 5.

(Continuar a ler em

[PT] Antevisão da nova temporada da NHL: Divisão Central

A Divisão Central da NHL é composta por uma formação sem rumo aparente, uma equipa que recentemente mudou a filosofia de sempre, dois conjuntos em subida clara no panorama geral da Liga, uma jovem equipa que desafiou as probabilidades na temporada passada e duas potências assumidamente candidatas ao título.

Faça a ligação entre estas descrições e as equipas da NHL a que correspondem enquanto lê este artigo, e permita-se conhecer o que se passou na temporada passada, quais as principais diferenças que o mercado de Verão proporcionou, que jogadores deve manter debaixo de olho, e como esperamos que as equipas se safem durante a nova época.

Winnipeg Jets (WIN)

Classificação em 2013-2014: 37-35-10, 84 pontos, fora dos playoffs

Terceiro ano em Winnipeg, terceiro ano fora dos playoffs. Já se sabia que com mudança para o Oeste, a tarefa dos Jets seria ainda mais complicado e, para impedir novo falhanço, os responsáveis resolveram fazer…zero. Assim, sem surpresa, a meio do ano, o treinador Claude Noel foi despedido e substituído pelo experimentado Paul Maurice, que começou com oito vitórias em 10 jogos. Mas já era demasiado tarde, e com múltiplos embates contra os fortíssimos adversários de divisão, o último lugar tornou-se uma inevitabilidade.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Mathieu Perreault (ANA), TJ Gagliardi (CGY), Peter Budaj (MTL)

Principais Saídas: Olli Jokinen (NAS), Devin Setoguchi (CGY), Al Montoya (FLA), Eric Tangradi (MTL)

Mathieu Perreault era um jogador complementar em Anaheim e a sua partida esteve longe de preocupar os responsáveis dos Ducks. De alguma forma, é também a principal aquisição de uma equipa que falhou claramente os playoffs. Kevin Cheveldayoff, GM dos Jets, continua a mostrar pouca capacidade para mudar o estado do seu plantel e à espera, ano após ano, que um núcleo duro de jogadores vindos de Atlanta consiga dar o passo em frente. Nem a muito especulada troca do talentoso e problemático Evander Kane foi concretizada para demonstrar algum inconformismo com a situação. E Ondrej Pavelec, o pior guarda-redes titular da NHL, continua dono e senhor da baliza, com as alternativas a serem praticamente inexistentes. Em resumo, mais um defeso desesperante para os mais ruidosos adeptos da NHL, e nova época medíocre a caminho.

Principais Jogadores: Andrew Ladd (Capitão), Evander Kane, Bryan Little, Blake Wheeler, Dustin Byfuglien, Tobias Ernstrom e…Ondrej Pavelec

Evander Kane continua a ser um Winnipeg Jet (Bruce Fedyck-USA TODAY Sports)

Jogador a seguir: Evander Kane. A 4ª escolha do draft de 2009 soma presenças nos títulos dos jornais devido a uma série de declarações e ações ambíguas relativamente ao seu interesse em continuar ao serviço dos Jets. No gelo, a sua quinta temporada na NHL foi dececionante, com lesões e problemas com o treinador a fazerem-no perder quase duas dezenas de partidas e somar apenas 19 golos e 41 pontos. Com todas as condições físicas e técnicas para se tornar um dos mais interessantes jogadores da NHL, o escrutínio relativamente ao seu futuro e desempenho continuará a ser intenso, com o regresso ao patamar dos 30 golos a ser necessário para acalmar os críticos.

Previsão: Bem fora dos playoffs, novamente. Mesmo que Pavelec se torne, quase por milagre, um guardião titular de nível médio na NHL, os Jets não devem sequer aproximar os playoffs numa divisão tão disputada. Resta ansiar pelo crescimento das potencias estrelas Jacob Trouba e Mark Scheifele e/ou por uma época suficientemente má para colocar a equipa na disputa pela obtenção da desejada primeira escolha no draft de 2015.

Nashville Predators (NAS)

Classificação em 2013-2014: 38-32-12, 88 pontos, fora dos playoffs

Os Predators falharam os playoffs pelo segundo ano consecutivo e a maior razão de todas terá sido a lesão prolongada de um dos seus pilares, o guardião Pekka Rinne. Numa equipa sem grandes argumentos ofensivos, o finlandês era essencial, e sem alternativas à altura, os Predators não tiveram hipóteses de competir numa divisão tão forte, colecionando golos sofridos. No final da temporada, pela primeira vez na sua história de 15 anos, o treinador foi despedido, com Peter Laviolette a tomar o lugar de Barry Trotz.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: James Neal (PIT), Mike Ribeiro (ARI), Derek Roy (STL), Olli Jokinen (WIN), Anton Volchekov (NJD)

Principais Saídas: Patric Hornqvist (PIT), Nick Spaling (PIT), Michael Del Zotto (PHI)

A chegada de Laviolette sinaliza uma mudança de paradigma na franchise, e isso ficou evidente no dia do draft, quando o GM David Poile adquiriu James Neal, uma arma atacante de calibre pouco visto em Nashville. Contudo, o ala não terá agora Evgeni Malkin para lhe fornecer o disco, e o seu sucesso com o novo distribuidor, previsivelmente Ribeiro, antigo companheiro em Dallas, será essencial. A nova filosofia atacante promete mais golos em Nashville e, para isso, Poile adicionou ainda os baratos e desgastados Roy e Jokinen, elevando para quase uma dezena o número de jogadores da equipa que podem jogar no centro das linhas atacantes. Com tantas opções, será interessante perceber como se constituirá o ataque, já que a defesa se mantem quase inalterada.

James Neal já vestido “à Predators” (Christopher Hanewinckel-USA TODAY Sports)

Principais Jogadores: James Neal, Mike Fisher, Shea Weber (Capitão), Roman Josi, Seth Jones, Pekka Rinne

Jogador a seguir: Filip Forsberg. O jovem sueco carrega o fardo de um apelido famoso. Peter Forsberg (sem relação) foi um dos melhores centrais da NHL nos últimos 20 anos e a comparações acabam por ser inevitáveis. Contudo, apesar de Filip não ter o mesmo potencial, a sua capacidade para perceber o jogo e habilidade com o disco podem torná-lo um jogador essencial para o futuro dos Predators. Começando na primeira linha de ataque, ao lado de Neal e Ribeiro, a pressão é grande mas se tudo correr bem até podemos estar na presença de um dos nomeados para rookie da temporada.

Previsão: Ver os jogos dos Predators na nova temporada promete ser uma experiência mais agradável que o habitual, mas a equipa continua com falta de poder de fogo na frente para poder superar os restantes adversários de divisão. Assim, a classificação final não deverá variar sobremaneira e os playoffs andarão novamente por outras paragens.

Dallas Stars (DAL)

Classificação em 2013-2014: 40-31-11, 91 pontos, eliminados na primeira ronda dos playoffs.

Após um Verão de mudanças profundas na organização, a época revelou-se muitíssimo bem-sucedida para os Stars, com a formação de Dallas a terminar uma série de cinco anos sem presenças nos playoffs. Liderados pelo formidável duo Jamie Benn-Tyler Seguin, os Stars alcançaram o último Wild Card na Conferência Oeste, e deram muito trabalho aos Anaheim Ducks na primeira ronda, caindo depois de um desastroso final de jogo 6, mas reavivando uma base de adeptos que andava adormecida e distante.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Jason Spezza (OTT), Ales Hemsky (OTT), Anders Lindback (TBL), Patrick Eaves (NAS)

Principais Saídas: Alex Chiasson (OTT), Ray Whitney (UFA), Aaron Rome (UFA), Tim Thomas (UFA)

Provavelmente nenhuma equipa da NHL melhorou tanto no defeso como os Stars. Um ano depois de adquirir um jovem central de tremendo talento em Tyler Seguin, o GM Jim Nill conseguiu novo feito ao obter Jason Spezza, formando uma invejável dupla de centrais nas linhas principais. Além disto, os Stars conseguiram ainda atrair Ales Hemsky, que na breve passagem por Ottawa tinha demonstrado grande cumplicidade com Spezza, e aumenta ainda mais as opções ofensivas ao dispor do treinador Lindy Ruff. A defesa poderia ter usado um reforço imediato, tratando-se de um grupo maioritariamente jovem, mas com a emergência de Alex Goligoski e Trevor Daley como par principal de respeito, a questão pode ser reavaliada mais tarde na temporada.

Principais Jogadores: Jamie Benn (Capitão), Tyler Seguin, Valeri Nichushkin, Alex Goligoski, Trevor Daley, Kari Lehtonen

Jogador a seguir: Kari Lehtonen. O possante guardião finlandês está longe de ser um jovem, entrando na sua 10ª temporada na NHL, mas nunca teve a oportunidade de defender por trás de uma equipa com tanto potencial. Fustigado por lesões ao longo dos anos, poucas oportunidades tem tido para fazer grandes fases regulares e brilhar nos playoffs. Com esta equipa, isso é bem possível, e se os Stars quiserem pensar em algo mais que apenas a presença na fase decisiva da época, terá que ser sob o suporte de um ano saudável do talentoso finlandês.

Previsão: Com Spezza e Hemsky a juntarem-se a Benn, Seguin e ao jovem Nichushkin, os jogos dos Stars prometem enorme espetacularidade e golos. Se conseguirem manter a estabilidade atrás, cuidado com uma equipa que pode surpreender nuns playoffs onde devem conseguir marcar presença com maior ou menor dificuldade.

Minnesota Wild (MIN)

Classificação em 2013-2014: 43-27-12, 98 pontos, eliminados na segunda ronda dos playoffs

Um ano depois de terem provado o sabor dos playoffs perante os futuros campeões, os Minnesota Wild voltaram a chegar à fase decisiva da temporada. Após ultrapassarem os favoritos Colorado Avalanche numa série equilibrada a sete jogos, seguiu-se novo embate com os Chicago Blackhawks, que precisaram de umas emotivas seis partidas para seguir em frente. De qualquer forma, os Wild estão de volta à linha da frente da NHL e as expectativas continuam a aumentar no “State of Hockey” americano.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Thomas Vanek (MTL), Justin Falk (NYR)

Principais Saídas: Matt Moulson (BUF), Clayton Stoner (ANA), Dany Heatley (ANA)

Para surpresa de ninguém, o austríaco Thomas Vanek escolheu voltar ao estado onde estudou, e assinou pelos Minnesota Wild, tornando-se um reforço de vulto para uma equipa a construir um ataque de imenso respeito e que não sofre com as saídas de Heatley e de Moulson, aquisição do dia limite de trocas. Na defesa também só se registou uma baixa, com Stoner a sair para os Ducks e o estreante Matt Dumba a tomar o seu lugar num grupo que tem de permitir que o treinador Mike Yeo dê mais tempo de descanso a Ryan Suter. Uma ressalva para a baliza, onde continua por resolver a questão de uma titularidade que balança entre o azarado Josh Harding, o veterano Niklas Backstrom, e o promissor Darcy Kuemper.

Principais Jogadores: Zach Parise, Mikko Koivu (capitão), Thomas Vanek, Jason Pominville, Ryan Suter

Jogador a seguir: Mikael Granlund. O central Granlund é provavelmente a maior figura da nova vaga do hóquei finlandês, e um avançado com a confiança em alta desde o excelente desempenho em Sochi. Aos 22 anos, com duas épocas de NHL na bagagem e a companhia dos experimentados Zach Parise e Jason Pominville, parece provável que os 41 pontos conseguidos na temporada passada sejam largamente ultrapassados e o jovem assuma o papel de principal central da equipa, superando, por via da sua superior visão de jogo e capacidade técnica, o compatriota e capitão Mikko Koivu.

Previsão: A mistura de jovens e veteranos do ataque forma um grupo de grande profundidade que promete dar imenso trabalho a qualquer adversário. Contudo, se o decisivo Ryan Suter continuar a ter que jogar metade do tempo de cada jogo e nenhum dos guarda-redes se assumir, as possibilidades de ultrapassar nos playoffs os poderosos Chicago Blackhawks ou St. Louis Blues não parecem famosas.

Mikael Granlund (em 1º plano) e Mikko Koivu, companheiros na selecção da Finlândia  e nos Minnesota Wild (Eric Miller / Reuters)

(Continuar a ler em

[PT] Antevisão da nova temporada da NHL: Divisão do Atlântico

A pior equipa da NHL, dois históricos à procura dos playoffs, duas formações em renovação, dois conjuntos com elevadas expectativas e um dos maiores candidatos à conquista da Stanley Cup.

Esta é a composição da Divisão do Atlântico da NHL e convidamo-lo a conhecer melhor cada uma das oito equipas que a formam, passando por um resumo do que fizeram no ano anterior, a análise das movimentações no defeso, a indicação de um jogador a seguir com toda a atenção e finalmente uma avaliação do que cada uma pode realmente valer na nova temporada.

Buffalo Sabres (BUF)

Classificação em 2013-2014: 21-51-10, 52 pontos, fora dos playoffs

Apenas quatro vitórias nos primeiros 20 jogos custaram o lugar de treinador a Ron Rolston, e não demorou muito até o GM Darcy Regier seguir-lhe os passos. Ted Nolan, que acumulou o lugar com o de selecionador da Letónia até aos Jogos Olímpicos, assumiu a posição no banco e os Sabres melhoraram, pelo menos, na atitude competitiva. Contudo, a falta de qualidade do plantel, ainda mais depois das trocas de Ryan Miller e Thomas Vanek durante a temporada, não permitiu que a equipa saísse de um destacado último lugar.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Matt Moulson (MIN), Brian Gionta (MTL), Josh Gorges (MTL), Andrej Meszaros (BOS)

Principais Saídas: Christian Ehrhoff (PIT), Henrik Tallinder (UFA), Ville Leino (UFA), John Scott (SJS), Cory Conacher (NYI)

O defeso dos Sabres começou com a perda da lotaria no draft da NHL, fazendo a equipa descer para a segunda posição na ordem definida. Sem grandes surpresas, os Sabres escolheram o central Sam Reinarth, que parece não estar ainda preparado para jogar na NHL. Com os olhos no topo do draft de 2015, onde os prodígios Connor McDavid e Jack Eichel estarão disponíveis, o novo GM Tim Murray preocupou-se em juntar alguns veteranos a uma formação em reconstrução. Moulson gostou tanto de Buffalo que, após uma breve passagem pelo Minnesota, resolveu voltar no primeiro dia do mercado, enquanto Gionta, o anterior capitão dos Canadiens, também procurará passar bons hábitos aos jovens dos Sabres. Na defesa, Gorges, que rejeitou sair de Montreal para Toronto, acabou por aterrar em Buffalo, tal como Meszaros. O melhor jogador da equipa, Ehrhoff, viu o seu contrato ser terminado e mudou-se para Pittsburgh, enquanto o fim da desapontante passagem de Leino por Buffalo era inevitável.

Principais Jogadores: Cody Hodgson, Chris Stewart, Matt Moulson, Brian Gionta (Capitão), Josh Gorges, Tyler Myers

Jogador a seguir: Chris Stewart. Parecem cada vez mais distantes os tempos em que Stewart era apontado como um dos mais promissores projetos de powerforward  da NHL. O possante avançado marcou 28 golos pelos Avalanche em 2009-2010, mas na época seguinte foi trocado para os St. Louis Blues, onde nunca se conseguiu impor, falhando em conseguir mais de 20 golos novamente. Aos 27 anos, depois de ter sido umas das peças adquiridas pelos Sabres na troca de Ryan Miller, está na hora de Stewart se assumir como peça de destaque no meio de um ataque jovem e com necessidade de todas as contribuições significativas que conseguir. Minutos para se mostrar não faltarão, pelo que resta saber se a falta de motivação e empenho que contribuíram para o seu apagamento vão continuar a esconder o talento.

Previsão: Último lugar na fase regular. A verdadeira ambição dos Sabres é a obtenção da primeira escolha do draft e, mesmo que a NHL tenha aumentado a imprevisibilidade do processo, acabar em último lugar representa o caminho com maior probabilidade de sucesso. Os Sabres vão lutar bravamente, perder a grande maioria dos jogos, e provavelmente somar mais alguns pontos que no ano passado, sendo que no Este só mesmo uma desfalcada equipa dos Hurricanes promete fazer-lhes alguma companhia no fundo da tabela.

Florida Panthers (FLA)

Classificação em 2013-2014: 29-45-8, 66 pontos, fora dos playoffs

A época dos Panthers começou sob o signo de um novo dono e promessas de mais fundos para o GM Dale Tallon. Enquanto isso, no gelo, a inexperiência da equipa foi patente em muitos jogos, o que contribuiu para o despedimento de Kevin Dineen bem cedo e para uma época passada no fundo da tabela. A aquisição, em Março, do reputado Roberto Luongo solucionou os crónicos problemas na baliza e contribui para acelerar o familiar processo de rejuvenescimento do plantel.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Jussi Jokinen (PIT), Dave Bolland (TOR), Willie Mitchell (LAK), Derek MacKenzie (CBJ), Al Montoya (WIN), Shawn Thornton (BOS)

Principais Saídas: Tom Gilbert (MTL), Scott Clemmensen (NJD), Jesse Winchester (COL), Ed Jovanovski (UFA), Scott Gomez (UFA)

Os Panthers ganharam a lotaria e com isso a possibilidade de escolher primeiro no draft de 2015, tendo usado a oportunidade para selecionar o defesa Aaron Ekblad, que deve mesmo começar a temporada na NHL. Mais tarde, a abertura do mercado fez lembrar o verão de 2011, quando os Panthers pareceram assinar com todos os jogadores medianos disponíveis e chegaram aos playoffs no final da temporada. O novo treinador, Gerard Gallant, recebeu alguns jogadores muito úteis, como Jokinen, que teve uma grande época ao lado de Evgeni Malkin em Pittsburgh, e Bolland que, apesar do absurdo contrato, deve fazer um bom trabalho como central da terceira linha. Willie Mitchell, depois de ganhar a segunda Stanley Cup pelos Kings, substitui o capital de veterania e experiência deixado vago pela saída do acabado Jovanovski, e promete aconselhar os jovens Ekblad, Erik Gudbranson e Dmitri Kulikov.

Principais Jogadores: Aleksandr Barkov, Jonathan Huberdeau, Nick Bjugstad, Brian Campbell, Eric Gudbranson, Willie Mitchell (Capitão), Roberto Luongo

Jogador a seguir: Jonathan Huberdeau. A terceira escolha do draft de 2011 teve uma excelente temporada de estreia na NHL em 2012-2013, somando 31 pontos em 48 jogos e vencendo o prémio de rookie da temporada. No entanto, a segunda temporada significou um retrocesso, com a famigerada “sophomore slump” a limitar Huberdeau a apenas 9 golos marcados em 68 jogos, e uma chata concussão a atrapalhar pelo meio. Dono de uma criatividade assinalável e excelentes mãos, o ala terá uma melhor equipa ao seu lado este ano, e a perspectiva de lutar pelos playoffs deve aguçar a sua habilidade, bem como a possibilidade de alinhar ao lado de um dos possantes centrais da equipa, seja ele Barkov ou Bjugstad.

Previsão: Fora dos playoffs mas na luta até perto do fim. Suportados pela estabilidade dada por Roberto Luongo na baliza, os Panthers vão ganhar muito mais vezes nesta temporada e podem aproximar-se dos playoffs se o ataque conseguir subir de produção. Uma tarefa que cai não só nos ombros dos jovens, como também de um conjunto de experimentados jogadores como Tomas Fleischmann, Scott Upshall, Brad Boyes e Sean Bergenheim.

Roberto Luongo garante estabilidade aos jovens Florida Panthers (J Pat Carter/The Associated Press)

Toronto Maple Leafs (TOR)

Classificação em 2013-2014: 38-36-8, 84 pontos, fora dos playoffs

Como tantas vezes aconteceu na última década, os Maple Leafs começaram bem a época e foram perdendo gás ao longo do ano. Mesmo assim, no rescaldo da primeira presença nos playoffs em 7 anos, só mesmo uma série de resultados catastrófica durante o mês de Março tirou a equipa dos lugares de acesso, com a época a terminar em desânimo e os lugares de treinador e GM em risco.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Roman Polak (STL), Stephane Robidas (ANA), Daniel Winnik (ANA), David Booth (VAN), Mike Santorelli (VAN), Matt Fratin (CBJ), Leo Komarov (KHL)

Principais Saídas: Dave Bolland (FLA), Nikolai Kulemin (NYI), Mason Raymond (CGY), Jay McClement (CGY), Jerry D’Amigo (CBJ), Carl Gunnarson (STL), Tim Gleason (CAR)

Para lá das inúmeras mudanças na estrutura da organização que fizeram correr tinta durante o Verão, o plantel dos Leafs acolhe na nova temporada um conjunto extenso de caras novas. Se na defesa o veterano Robidas e Polak, obtido dos Blues, aumentam o poderio físico e parecem parceiros perfeitos para os jovens Jake Gardiner e Morgan Reilly, já no ataque assistiu-se a uma remodelação profunda das linhas inferiores, com a chegada de reforços baratos e subvalorizados, como Winnik, Booth e Santorelli. Quanto às saídas, destaque para os eficientes Raymond e Kulemin, que decidiram procurar outras oportunidades, e para Bolland, cujas exigências financeiras foram demasiado elevadas para uma equipa pressionada contra o teto salarial.

Principais Jogadores: Phil Kessel, James van Riemsdyk, Joffrey Lupul, Dion Phaneuf (capitão), Jonathan Bernier

Jogador a seguir: David Clarkson. A primeira temporada em Toronto do agressivo ala de 30 anos foi terrível. Depois de assinar um contrato longo e chorudo no Verão, a pressão sobre Clarkson era enorme e uma suspensão logo na pré-temporada nada fez para a diminuir. No final, 5 golos e 60 jogos depois, não faltaram vozes a pedir a dispensa de um avançado que ocupa demasiado espaço salarial para o que produz. Mesmo que não se espere que Clarkson repita os 30 golos que chegou a marcar pelos Devils, é necessário que seja capaz de jogar com os craques da equipa e contribuir bastante mais. Uma verdadeira oportunidade na segunda linha ao lado de Kadri e Lupul pode ser tudo o que precisa para se redimir.

Previsão: Fora dos playoffs. Os Leafs vão estar novamente na luta e o reforço da profundidade ofensiva pode ajudar a manter uma estabilidade de resultados e exibições que não existiu no ano passado. No entanto, a formação continua a ser liderada por um Randy Carlyle que não parece perceber quais os reais problemas da equipa e, desta forma, torna-se complicado acreditar numa evolução condizente com um resultado final diferente.

Ottawa Senators (OTT)

Classificação em 2013-2014: 37-31-14, 88 pontos, fora dos playoffs

Uma surpreendente campanha até aos playoffs em 2012-13, e a chegada do talentoso Bobby Ryan, colocaram as expectativas relativamente à época dos Senators lá bem em cima, mas o que se seguiu foi um ano dececionante. De facto, Craig Anderson desceu à terra depois de um ano inacreditável, os jovens não melhoraram tanto como o esperado, e a defesa sofreu baixas importantes ao longo do ano, com o resultado somado de tudo isto a ser uma eliminação precoce.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: Alex Chiasson (DAL), David Legwand (DET)

Principais Saídas: Jason Spezza (DAL), Ales Hemsky (DAL), Joe Corvo (UFA)

Um ano depois do amado Daniel Alfredsson ter dito adeus a Ottawa, o central Jason Spezza seguiu o mesmo caminho, pedindo para ser trocado e vendo o seu desejo ser concedido. A principal peça recebida pelo capitão foi o ala Chiasson, que apesar de ser um jovem de qualidade não parece ter potencial de estrela. A chegada de Legwand compensa parcialmente a saída de Spezza, com Kyle Turris a assumir o lugar de principal central, e o sueco Mika Zibanejad a lutar com o novo reforço pelo lugar na segunda linha. Hemsky foi adquirido em Março no dia limite de trocas, entendeu-se bem com Spezza, ficou livre e optou por seguir o central até ao Texas.

Principais Jogadores: Kyle Turris, Clarke MacArthur, Bobby Ryan, Erik Karlsson (capitão), Marc Methot

Jogador a seguir: Cody Ceci. O trabalho de levar os Senators para o ataque cai quase sempre nos ombros do sensacional Erik Karlsson, mas o sueco não pode fazer tudo sozinho. Uma vez que o resto da defesa não tem grande mobilidade e capacidade de passe, o jovem Cody Ceci, de apenas 20 anos, foi chamado em 49 partidas na temporada passada e impressionou. Na nova época, a sua patinagem e poderoso remate prometem fazer ainda mais estragos, principalmente se o defesa conseguir um lugar no primeiro powerplay dos Senators.

Previsão: Fora dos playoffs. Os Senators perderam o seu principal avançado e ficaram ainda mais desfalcados na disputa pelos lugares de acesso aos playoffs. Sem grande profundidade atacante, o trio MacArthur-Turris-Ryan terá que assumir ainda mais responsabilidade, e os adversários podem concentrar-se em anular a perigosa linha principal e Karlsson. Tudo se conjuga para mais uma temporada difícil na capital do Canadá.

A dinâmica de Kyle Turris e Clarke MacArthur é essencial para o sucesso dos Senators (Adrian Wyld/Canadian Press)

Detroit Red Wings (DET)

Classificação em 2013-2014: 39-28-15, 93 pontos, eliminados na primeira ronda dos playoffs

Se os Red Wings ainda estivessem na conferência Oeste, a temporada passada teria visto o fim da sua incrível série de 22 qualificações consecutivas para os playoffs. Como a transferência para o Este ocorreu no momento certo, o número subiu para 23, apesar de a equipa ter sido dizimada por lesões ao longo da temporada e obrigada a jogar com mais jovens do que os seus responsáveis quereriam.

Movimentações no defeso

Principais Entradas: nenhuma

Principais Saídas: David Legwand (OTT),Todd Bertuzzi (UFA), Jordin Tootoo (NJD), Mikael Samuelsson (Suécia), Cory Emmerton (KHL)

Ken Holland, GM da equipa, bem tentou reforçar o conjunto, principalmente na defesa, mas não teve sorte, conformando-se com a manutenção do mediano Kyle Quincey e a renovação com Danny DeKeyser, enquanto no ataque deixou sair um conjunto de veteranos com o prazo de validade expirado. A ordem para a nova temporada é continuar a desenvolver os jovens atacantes, com Riley Sheahan, Tomas Tatar e Gustav Nyquist à cabeça, e arranjar maneira de manter as vedetas Datsyuk e Zetterberg, além da desilusão Stephen Weiss, longe do centro médico. Mesmo assim, existem ainda duas importantes questões para resolver: o melhor pontuador da equipa na época passada, Daniel Alfredsson, mantem-se indeciso quanto à continuação da carreira, e o treinador Mike Babcock, considerado o melhor da NHL, entra no último ano de contrato e ainda não acertou a renovação.

Irá Mike Babcock renovar contrato com os Detroit Red Wings?

Principais Jogadores: Pavel Datsyuk, Henrik Zetterberg (Capitão), Johan Franzen, Niklas Kronwall, Jimmy Howard

Jogador a seguir: Gustav Nyquist. Nyquist passou de revelação a certeza na última temporada, com os seus 28 golos em apenas 53 jogos a manterem os Wings na luta pelos playoffs, e a serem essenciais para o sucesso da equipa. O problema é que o sueco de 25 anos conseguiu tal sucesso baseado numa percentagem de acerto no remate extremamente elevada e certamente insustentável. Assim, levantam-se questões sobre qual o nível de regressão que espera Nyquist. O dinamismo, velocidade e instinto são indiscutíveis, mas será o sueco um goleador capaz de fazer 30 ou mais golos de forma regular, ou o patamar apropriado será o dos 20? A resposta pode ser dada já nesta temporada.

Previsão: Os quatro primeiros nomes da lista de principais jogadores da equipa já passaram todos dos 30 anos, e os seus sucessores ainda precisam de ganhar mais calo antes de serem chamados a carregar a equipa nas suas cada vez mais usuais ausências. Se na nova temporada se repetirem os problemas, nem a sagacidade de Babcock pode chegar para estender a série a 24.

(Continuar a ler em

Coming up..

An idea of what to expect till the end of 2014:

Cycling:  With the 2014 season wrapping up, I’ll analyse the top riders of 2014, throw around some predictions about potential breakout cyclists in 2015, and underline the key dates on the calendar.

Tennis: The end of the year Finals for both the ATP and WTA tours are getting closer and I hope to preview the women’s tournament, starting next week in Singapore, and the men’s event, scheduled for mid November.

Hockey and football: occasional posts from time to time, with some funny stuff about the NHL already planned.

Winter Sports: the season is rapidly approaching and I hope to develop something around it.

And…a special project I’ll develop over the next months.

Named “European Tour “, the project consists on a weekly presentation of the sports landscape on different european countries, featuring their more recognisable athletes, the people’s beloved sports and the major historical places/sporting facilities. I still have to figure out the total number of countries I’ll explore, but expect something between 30 and 40.

However, to start, I’ll post the NHL preview articles I wrote recently for Modalidades.

A brief presentation

Hi, my name is Duarte and I am an engineer. OK, technically I really am one, but let’s forget that. What I really am is a lifelong sports fan and a really good one at that. Just ask my parents. Well, moving on. I’m a born and bred portuguese “writer”, a fanatical SL Benfica fan and a passionate Pittsburgh Penguins supporter. But, rest assured, this is not a blog about those two. Words can not describe what i feel about them sometimes.

So, generally, what can you expect from this blog?  As it is written up there, I’ll be writing about sports, focusing, obviously, on my favorite ones. You can expect a healthy dose of cycling, a not so healthy portion of ice-hockey related content, some stuff about tennis and football, and sprinkles of basketball, alpine skiing, swimming… . I’ll try to preview and/or analyse the big competitions happening all year round, share some of the knowledge I accumulated over countless hours spent in front of the tv screen or my laptop, and deliver some good content.
Oh, as you can infer from this text, I’ll be writing in (my) English. For “foreign” readers, I apologize right away for the occasional portuguese-centered posts. Since I write about the NHL for the portuguese news website, i’ll relay the content here too, warning that it is in my native language.

Thanks for reading and hope you’ll enjoy the time spent here.